14/11/2017

As estrelas por detrás dos blogues


Eu desconhecia, possivelmente a maioria de vós também. A verdade é que raramente sabemos quem está por detrás do blog, mas que está gente, lá isso está, e que tantas vezes, mesmo no oculto, nos surpreendem pelo melhor, também sabemos. Hoje o,  por detrás do blog o blogueiro, refere-se a Antunes Ferreira. Olhem só o que eu descobri.



E quem o diz não sou eu. Mas, aqui para nós, sei, pelo menos, que é dono da "A nossa travessa" e que terá merecido dos seus iguais o que se pode ler nesse link, o primeiro.

E esta hein, Sô Henrique     :-))

*****
2017-11-14
nn(in)mertamorphosis




07/11/2017

Dos sorrisos de ontem



Olho o passado com um sorriso, porque o presente me entristece e o futuro, a existir, não auspicia  nada melhor.

*****
2017-11-07
nn(in)metamorphosis 


02/11/2017

Dos sentidos


Os olhos também beijam.


*****
2017-11-02
nn(in)metamorphosis

 

Sol e chuva


 A chover e dar sol
na cama do rouxinol
a mãe a cozer as papas
e ele a meter pró fole

Assim está o dia, hoje, por aqui. Céu azul com pinceladas a cinza, prometendo a água que já escasseia, trazendo uma chuvinha rala, que a luz do sol  refracta, e em toda a sua beleza, nos oferece um arco-íris.

Há coisas, que enchem a alma,  e juro, que ouvi o meu coração alterar as batidas, parecendo, ao momento, um sino em dia de festa.

PS: Chuva em tempo quente, adoro :-) 
***** 
2017-11-02
nn(in)metamorphosis


31/10/2017

UUUUUUU UUUUUUUUU


Não te assustes, sou eu,  a... 




Das (in)verdades


Sabes, eu não acredito, com aquele acreditar profundo, em coisa nenhuma. Mas acredito profundamente no que sinto. Se sinto, faz sentido. Sendo assim, só acredito no amor, na pedagogia do amor, honesto, puro, mas não cego.

*****
2017-10-31
nn(in)metamorphosis


26/10/2017

Síndrome do Pôr-do-sol Outonal



  

Há um fenómeno de fim de tarde que me possui
se estou junto ao mar
um baixar de pulsar do coração
um olhar que perde intensidade e se fixa lá longe
no tempo que ficou para trás
então 
as ideias caem devagar, em sopros outonais 
os olhos arrasam-se-me de horizontes
e as memórias são pálidos murmúrios



A partir de um poema original de: VC 
*****
2017-10-26
nn(in)metamorphosis


24/10/2017

Da estranheza de ser


Todos os dias, quando arranjo uma brecha, venho pôr em dia a leitura dos blogues que sigo. Leio um e outro e depois mais outro, e a cada leitura me vou questionando: Como têm coisas para contar das suas vivências,  quanta coisa vêem apenas passando o olhar, quanta sensibilidade, aos e ao que os rodeiam. Como são assertivos, nos temas, na escrita, como se expressam tão bem, tantas vezes num português tão cuidado. Caramba! não é inveja, não sou uma pessoa invejosa, mas naqueles momentos, por vezes, pergunto-me o que vim fazer a este mundo. Se trouxemos uma missão, qual terá sido a minha... Eu sei, sou meio folha de louro, directa, incisiva, até um beijo meu deve arranhar mas, é assim que sou, preto no branco, sem meias tintas, sem saber gerir o politicamente correcto. Não sei sentir rancores de estimação, ódios camuflados, nem mesmo sorrir sem vontade, e se eu sou de riso fácil :-))   -  Ou gosto, ou me são como o melhoral que nem faz bem nem faz mal - É, não tenho jeito nenhum para dizer, gosto-te,  amo-te, mesmo que esses sentimentos sejam o que suportam esta vida meio apagada, numa ânsia presa de voar, na cobardia do certo pelo incerto ou simplesmente medo, ou, o mais certo, na percepção exacta de que não tenho nada para dizer e, se tivesse, não o saberia fazer.


*****
2017-10-24
nn(in)metamorphosis

20/10/2017

Farta deles


Não sei se esta senhora pertence a um partido ou não, nem quero saber. Saber de mim é já uma trabalheira, mas que ela tem razão, lá isso tem - SOMOS TODOS CULPADOS.




 Só não lhe dou o direito de afirmar, que a escolha foi feita por todos nós (leia-se maioria) porque o governo existente, não ganhou as eleições - é um governo usurpador,  oportunista. É o que penso e está dito. Mas sinto, que o apertar do cinto a que fomos sujeitos e que agora está a permitir ao Costa fazer flores, vai chegar aí de novo, e pior que da primeira vez. Infelizmente.

Sabem que mais, só me apetece dar um tiro num pé e fugir para Espanha, e dali para o cu de judas.


*****
2017-10-20
nn(in)metamorphosis 

 

19/10/2017

Em 1961, ele falava assim



É um fenómeno curioso:
O país ergue-se indignado, moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto.
Falta-lhe o romantismo da agressão.
Somos, socialmente, uma colectividade pacífica de revoltados".  Miguel Torga-1961



Não mudou nada, pois não?


*****
2017-10-19
nn(in)metamorphosis
 
 

18/10/2017

Era uma vez, o pinhal Del Rei


Era uma vez, uma floresta com 700 anos
a floresta dos nossos filhos 
o antes e depois de 16-10-2017 
visto por João Portugal (ex-excesso band)




*****
2017-10-18
nn(in) metamorphosis



17/10/2017

Há quem não cale


Há quem não tenha medo. Há quem não se sente no conforto do seu bem estar, e a pesar dos pesares, ponha a boca no trombone, e já não é de agora.






***** 
2017-10-17
nn(in)metamorphosis 


16/10/2017

Chove


Ainda não é muito, mas talvez chegue para dar umas tréguas aos bombeiros, e a todas as pessoas que, nestes dias, têm sido umas bravas batalhadoras.


chove
chove
chove
chove
 chove





*****
2017-10-16
nn(in)metamorphosis

Uma triste amostra

O diálogo pode não ser o mais adequado, 
por vezes, 
mas verão que é compreensível.


Pergunto-me como se terão sentido os outros, 
aqueles que se sentiram a assar, 
em Pedrogão Grande, e agora também.

Será que os nossos governantes conseguem dormir? 
Desta vez o que foi, outro raio?
Será que não há culpados?
O que vai ser das pessoas que tudo perderam? 
A ver por Pedrogão, bem podem esperar sentados.

UMA VERGONHA

Um 1º ministro que nos apelida de infantis.

Uma ministra inoperante.

Um secretário que diz que não podemos estar à espera dos NOSSOS bombeiros dos NOSSOS aviões (palavras dele) 

Qual vosso qual quê!

 
Um comando da protecção civil feito por gaiatos na matéria.

Que RAIO fazeis vós com o nosso dinheiro?

Onde RAIO foram parar as promessas, para garantir votos?


Para quando uma lei que proíba a compra/venda de árvores queimadas?
Num instante os incêndios diminuíram


ESTOU FARTA!
DUM GOVERNO DESLUMBRADO
TRABALHEM
PARA ISSO VOS PAGAMOS


*****
2017-10-16
nn(in)metamorphosis